Doutor Jorge Mota Pereira na comunicação social



Jorge Mota Pereira

Médico Psiquiatra. Doutorado em Psicologia

  
  

Entrevista Antena1 (vencedor VI Congresso Nacional de Psiquiatria)

Entrevista à Antena 1, com o Doutor Jorge Mota Pereira, sobre o estudo intitulado “Mexa-se! Pela sua depressão”.

Este estudo foi o vencedor, de entre 206 concorrentes, do primeiro prémio no VI Congresso Nacional de Psiquiatria, Estoril.



MEXA-SE! PELA SUA DEPRESSÃO

Jorge Mota Pereira, Serafim Carvalho; Jorge Silvério; José Carlos Ribeiro; José João Silva; Mariana Soares; Sónia Granja; Joaquim Ramos Hospital de Magalhães Lemos e Universidade do Minho; Hospital de Magalhães Lemos; Universidade do Minho (Escola de Psicologia); Universidade do Porto (Faculdade de Desporto)

Introdução: O tratamento da Perturbação Depressiva Major (PDM) envolve múltiplas estratégias, tendo a prática de exercício físico moderado vindo a ser apontada como potenciador do efeito dos antidepressivos, surgindo associada a um aumento da qualidade de vida dos doentes com depressão. No entanto, e dada a complexa fisiopatologia da PDM, os estudos realizados até ao momento têm apresentado resultados díspares.

Objectivo: Avaliar o impacto de um programa de exercício físico moderado na qualidade de vida de doentes com PDM.

População: Amostra populacional: 33 doentes com PDM com idade média de 47,2 ± 10,4 anos, que frequentavam consultas psiquiátricas há pelo menos nove meses e que não apresentavam remissão dos sintomas apesar da toma de fármacos em doses consideradas adequadas.

Métodos: Os participantes foram divididos em dois grupos: um grupo de estudo (E, n = 21), que realizou exercício físico moderado durante 12 semanas, e um grupo controlo (C, n = 12), que não fez exercício físico. Antes e depois do programa de exercício físico, todos os participantes foram avaliados relativamente a HAMD17 (escala de depressão de Hamilton, 17 items), BDI (Escala de depressão de Beck), GAF (escala de avaliação global de funcionamento), CGI (Escala de Impressões clínicas globais) e WHOQOL-Bref (instrumento de avaliação da qualidade de vida).

Resultados: O grupo E melhorou do início para o final do estudo relativamente aos parâmetros HAMD17, BDI, CGI, GAF e WD3 (p < 0.05). No final do programa de exercício, os indivíduos do grupo E apresentaram maiores descidas na classificação HAMD17, avaliada como percentagem da classificação inicial, do que os indivíduos do grupo C (p < 0.05).

Conclusões: Os resultados sugerem fortemente que o exercício é benéfico em indivíduos com PDM, melhorando não só os sintomas de depressão como aumentando a capacidade destes indivíduos de melhor se relacionarem socialmente.


Entrevistas RTP1

Facebook ajuda a tratar depressão (com Dr.Jorge Mota Pereira)

Exercício físico cura depressão

Está provado que o exercício físico regular combate de forma eficaz a depressão. O estudo que mereceu o primeiro prémio num congresso de psiquiatria foi feito em doentes gravemente deprimidos. 21% dos doentes ficaram curados com o exercício.

Crise faz disparar recaídas da depressão

Reportagem SIC baseada no estudo que conduzimos “Crise faz disparar recaídas da depressão”.
Aumento da depressão devido à crise, revela estudo – SAPO Vídeos A taxa de suicídios em Portugal atingiu o valor mais alto desde 2005. Os números do Instituto Nacional de Estatística revelam um aumento 8,3 por cento. Em 2010, há registo de mil e 98 casos. Um aumento que pode estar relacionado com a crise e o desemprego.